domingo, 15 de dezembro de 2013

Morta de Saudades

As tardes passam depressa e somem, no breu da noite. E as palavras que me destes trazem a dor de um açoite. Minh'alma se estreita em convulsões atrozes e a mente se estraçalha, vitimada pelas vozes que cismam em soprar os rumores da partida afirmando que, em breve, partirás da minha vida. E meu corpo, já inerte, jaz sob o batente da porta, esperando que o legista ateste que estou morta...

Nenhum comentário: